Brasil acordou para crimes raciais em 2020, mas pouco mudou

Ana Paula Rocha segura retrato do filho, Igor Rocha Ramos, 16, morto em abril por um PM em São Paulo - Eduardo Anizelli/Folhapress

Apesar de espaço no debate público, indicadores de violência continuam a ter negros como maiores vítimas

Leia a matéria completa

versao para impressão

Mais Participações